10 junho, 2011

Pesca

O peixe
é palavra,
é sabre
e poema,
escamas de prata.
Desliza na linha,
se perde
na água,
ondula
num verso,
esguio,
escapa.
Seus
olhos
(sereias)
fascinam
e matam.
O leque
do rabo
te acorda
com um tapa.
O peixe
é

palavra.

2 comentários:

Dáfni disse...

Adoro seus poemas! :)

Beijos

Geraldo de Barros disse...

Micheliny, é verdade. quando ele dá aquelas prateadas no ar ele cria significados :)

beijos e uma ótima semana