27 junho, 2011

Janela: A poesia de Ehre



Conheço  Ehre há alguns anos, já. Sua poesia, também. Poesia guardada por muito tempo, oferecida, biscoito fino ou homeopatia,  a alguns poucos e muito próximos.

Sua poética tende entre a concisão e o derramamento. E isso muito me apetece, embora eu tenha um certo hábito (ou mania) de achar que a concisão faz a força de qualquer poeta.

Obviamente ninguém tem nada a ver com minhas patologias críticas e acredito que, condensada ou esparramada, a poesia de Ehre é forte e intensa de qualquer maneira.

Seu olhar é daqueles que captura imagens e nisso, creio, nos aproximamos, nessa quase crença de que fazer poesia é algo similar a fazer fotografia. Desse seu "olho fotográfico" não escapam suas leituras e mesmo quando sua poética é intertextual ou metalinguística, é a imagem, sempre ela, a prevalecer. No entanto, sua palavra não é descritiva. Há como que uma filiação fenomenológica que busca o olhar do outro a partir de sua própria subjetividade. Merleau-Ponty dirá que a "percepção do mundo funda para sempre nossa ideia de verdade". A poética do olhar de Ehre dirá que essa percepção só é possível pelo cruzamento de subjetividades, pelo diálogo, mesmo que este (como toda empresa humana) seja pontuado de equívocos.

Convido-os a ler Ehre.

Logo abaixo, um poema dela. E em Cântaro Cantar , sua página, muitos outros. Depois me contem.

ANDREI NO TRAPÉZIO
Respira.
O vento dos teus sonhos
faz as árvores do mundo dançarem.
Salta.
A dança do teu corpo
faz o mundo do sonhos respirar.
A infelicidade tem preço: inércia.
A felicidade tem nome.

5 comentários:

Ehre disse...

Santo Deus, Mi! Poética intertextual ou metalingüística... Merleau-Ponty... Adispois, a senhora não vá querer queixar-se ao bispo de Raso D’água. Adescurpe, mas neste instante, concisão é o impossível. À galope, das janelas aqui de casa, um rio derrama-se em beijos. Sim, o Amazonas. Hha!

Geraldo de Barros disse...

incrível!

:)

António Amaral Tavares disse...

Concordo com tudo o que disse Micheliny. Descobri através deste blog Anna Ehre e foi uma surpresa impressionante. Obrigado pela dica.

Fanzine Episódio Cultural disse...

A ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (Machado-MG) comunica que estão
abertas as inscrições para o VIII Concurso Plínio Motta de Poesias, do
ano 2011. As inscrições vão até o dia 21 de outubro de 2011.
Entrem em contato para adquirir o Regulamento:
a/c Carlos Roberto machadocultural@gmail.com
ESTE CONCURSO ESTÁ ABERTO PARA TODOS!

OBS: O VALOR DA INSCRIÇÃO ( 2 REAIS) PODE SER COLOCADO DENTRO DO ENVELOPE COM AS 6 CÓPIAS DA SUA POESIA.

Nabel Braz disse...

Simplesmente M A R A V I L H O S A !