23 fevereiro, 2009

antigas bonecas e suas meninas-II






Toda criança cresce. Toda criança se perde para sempre?

Lembro cada detalhe de minhas bonecas, como amigas que se perdem no tempo.

Será que sinto falta delas? 

Ou não?

Será que ainda estão comigo e por isso a nitidez de suas lembranças?

Será que se cresce, mesmo?

4 comentários:

BAR DO BARDO disse...

As bonecas se infantilizam e nós nos tornamos senhorinhas responsáveis. A distância é inevitável. E a saudade também.

Wilson Torres Nanini disse...

Micheliny, nunca brinquei com bonecas. Mas me lembro, perfeitamente, da minha infância, que meu irmão e eu, durante manhãs e tardes na casa de minha avó materna, ficávamos nos deliciando com briga de aranhas-carnguejeira com vespas africanas, ou quando nossa mãe nos levava para sermos benzidos por uma velhinha cujas pureza e fé ingênua compõem at´´e hoje minha esperança no ser humano. Inventávamos nome para cada cheiro que não conhecíamos e revivíamos histórias que nossos pais nos contavam de suas infâncias, como se nós fôssemos os personagens que as viveram. Percebo que todas as infâncias que se comungam se misturam. A minha nunca me deixou, ainda transita em inexorável órbita. Acho que nunca crescerei.
Wilson

Daniel Sampaio de Azevedo disse...

As fotos são lindas. Sensibilidade de quem não perdeu o olhar de criança... bjos.

paulo de toledo disse...

oi, mi.
tenho saudades do meu forte apache.
qdo eu tiver um apê maior, vou comprar um pra mim, cheio de índios e caras-pálidas :^)

baci,

paulo