01 setembro, 2008

leia-me!

Na Continuum desse mês, a bela e instigante história de Josias Soares e seu avô Teófilo Pedro Batista, cineasta, inventor, cinegrafista, roteirista e filósofo pernambucano (entre outras coisas).

Josias, estudante de jornalismo, está resgatando a vida desse avô que ele praticamente não conheceu e com isso revela uma página fascinante e esquecida da história do cinema pernambucano.

Mais só lendo O menino de seu avô.

Aliás, não deixe de ler toda a revista, que esse mês está redondinha como um bebê. Em tempo, o tema é Arte em Família.


[Josias mostra um dos croquis desenhados por Pedro Teófilo Batista. Foto:Ricardo Bolognini]

2 comentários:

Alisson da Hora disse...

olá!vi o seu artigo no Cronópios, adorei...aí vim no seu blog, também adorei...achei as suas opiniões bem pertinentes e concordo inteiramente com elas...já ouvi pessoas dizerem que Vicente do Rego Monteiro é um pintor incompreendido e muito pouco visto aqui. Perguntei "burramente", onde poderia ver um quadro dele. Me disseram que no Museu da Cidade, tem...evidentemente uma informação errada...enfim, pernambucanos...

Zé Paulo disse...

Eu já li! Está uma bela crónica / reportagem. É um presente ver um garotão com a postura do Josias Neto.
E a revista é realmente de bom gosto na sua concepção geral.
Abraços.

Zé Paulo