13 novembro, 2009

Em tempo...

Fiz uma entrevista bem bacana com a psicanalista e filósofa Viviane Mosé, para a Revista Continuum, do Itaú Cultural, confiram aqui.

De 19 a 22 de novembro vai rolar mais uma edição da Balada Literária, dessa vez em homenagem a João Silvério Trevisan. Estarei no dia 19, às 14h30, na Livraria da Vila discutindo gênero literário, mercado e carreira ao lado de Adrienne Myrtes, Fabrício Corsaletti e Ismael Caneppeli. O mediador é Samuel Leon, editor da Iluminuras. Para ver a programação completa, clique aqui.

E por hoje é só, pessoal!

7 comentários:

Wilson Torres Nanini disse...

Uma ótima entrevista com Viviane Mosé. Gostei do despojamento e coerência. Já quanto a balada literária, mais uma vez tenho que lamentar pela indisponibilidade propiciada pela distância. Forte abraço!

Wilson Torres Nanini disse...

Uma ótima entrevista com Viviane Mosé. Gostei do despojamento e coerência. Já quanto a balada literária, mais uma vez tenho que lamentar pela indisponibilidade propiciada pela distância. Forte abraço!

Wilson Torres Nanini disse...

Uma ótima entrevista com Viviane Mosé. Gostei do despojamento e coerência. Já quanto a balada literária, mais uma vez tenho que lamentar pela indisponibilidade propiciada pela distância. Forte abraço!

Braz disse...

Micheliny, fiquei conhecendo seu trabalho devido ao blog do Santinha...parabéns!

Em tempo: descobri apenas hoje que Osman Lins também era tricolor!

Um abraço

Geraldo de Barros disse...

Olá Micheliny, tudo bem? Estive na Balada e gostei muito de ter ouvido um pouquinho do seu texto e de suas posições, não sou muito de fazer juízos de valores sobre o trabalho das pessoas, acredito muito na capacidade de cada um, mas preciso fazer um comentário sobre sua obra em relação a obra dos outros participantes daquela mesa, pois como estavam todos ali juntos criou-se um certo contexto que descrevia algumas questões comuns relacionadas a jovens escritores (seu começo, suas dificuldades, suas posições e tal...) mas não sou nenhum estudioso formal de literatura, sou um leitor apenas, mas me preocupo com as obras e sua relação com os leitores e a realidade em geral, sem jamais querer desmerecer nenhum autor ou sua obra, pois cada um tem o seu lugar, suas preocupações, seus objetivos, preciso te dizer q senti em sua obra um rigor com o que vc escreve muito singular, não sei dizer bem, mas senti algo que remete não a um formalismo literário, pelo contrário, a algo que embora deixe claro que o que faz é literatura, não se limita apenas a ela, rompe essa barreira, sem deixar de ser literatura é claro, esse rigor dá um vigor ao texto, que o torna livre e vivo, enfim muito poético, traço que não encontrei nos outros autores, embora reconheça alguns pontos bacanas que eles demonstraram, mas é uma outra coisa, não sei se me fiz claro, mas há uma essência que difere muito naquela mesa, talvez eu esteja sendo injusto, pois conheço um pouco mais a sua obra do que a deles, mas será que temos que nadar todos os oceanos para saber que a água é salgada? eu não sei, mas gosto do que escreve e não só isso, acho importante o que escreve não só para a literatura mas para a formaçao do nosso desenvolvimento humano, pois sua obra (e falo desde as suas sacanas aqui no blog) aborda questões cruciais das relações humanas. Bom, é isso, me desculpe, mais uma vez, pelo longo comentário, um abraço e sucesso!
Geraldo.
Ah... encontrei a leitura sua na net que quiser dá uma conferida http://www.youtube.com/watch?v=r3vBDlgXGWA

Micheliny Verunschk disse...

Geraldo, vou te responder com calma. Que bom que estava na leitura!

Geraldo de Barros disse...

Micheliny, agradeço a sua atenção e gentileza, se for mais comodo pra vc, deixo aqui meu e-mail,

ge_jr11@hotmail.com

mas não se preocupe, pode ir com calma :)

um abraço.