24 agosto, 2007

Uma criança antiga
habita o dicionário
do mundo
e brinca.
Move pedras,
idéias.
no tabuleiro lavado
pelo sol do dia.
Não hesita
e em tudo se recria:
metáfora-semente,
bicho-minério,
poesia.
A criança brilha,
relâmpago de faca,
brinco e supernova
brinda espelhos que se racham.

Caleidoscópio.



[Rudá, enquanto dorme]

7 comentários:

Marco disse...

Micheliny:

Sou coordenador do curso de Letras da FESB, em Bragança Paulista.

Estou desenhando uma mesa redonda com o tema "Literatura e mídia: novas mídias e mídias alternativas".

Desejo saber de seu interesse e disponibilidade para proferir uma intervenção de aproximadamente 40 min sobre o tema no dia 25 de outubro às 20h00.

Aguardando seu retorno,

Prof. Marco A Queiroz Silva.

Marco disse...

Micheliny:

Sou coordenador do curso de Letras da FESB, em Bragança Paulista.

Estou desenhando uma mesa redonda com o tema "Literatura e mídia: novas mídias e mídias alternativas".

Desejo saber de seu interesse e disponibilidade para proferir uma intervenção de aproximadamente 40 min sobre o tema no dia 25 de outubro às 20h00.

Meu endereço: marcoaqueiva@uol.com.br

Aguardando seu retorno,

Prof. Marco A Queiroz Silva.

paulo de toledo disse...

linda foto!
dá até vontade de fazer um pra mim.
baci

Julio Vila Nova disse...

Micheliny, belo texto para uma linda foto, me lembrei dessa fase da minha Lívia, hoje com 4 anos, e que já canta inteira a linda canção de Fátima de Castro chamada Papai Triclor: "Papai um dia me ensinou a ser feliz / olhar a vida com respeito e muito amor / a ser criança, cultivar minha paixão / e conservar meu coração bem tricolor..."

josi disse...

Mi..maravilhoso poema, tua letra transcende cada dia mais e transforma tudo que é táctil, nessa realidade imensamente lúcida e gloriosa...muito obrigada por ilustrar com nossa foto. ´
Beijos nossos pra família trololó!
josi e rudá.

Ivon disse...

Queridíssima
Como sempre os textos teus me deixam a ver planetas... lindo, lindo, lindo...
Bjs imensos, tentarei te ver em Porto, em setembro!

eadem numero mutata resurgo disse...

Obrigado,
Micheliny(vc consegue)Ver/Uns/C/em H/ectômetros-k/ilômetros luzes além do censo comum reificado!

“Uma criança antiga
habita o dicionário
do mundo
( que foge a dicionários vários)
e brinca:
A metáfora nasceu
entre as junturas dos verbos.
o verso abriu o universo
entre as funduras das cores na retina.
A poesia floresceu o amor:
Luz através de um vitral
(espelho de todo Ser-poético que não conhece em parte).”


Obrigado pela visita na minha humilde galáxia de Gutenberg.